Pesquisa:
  QUEM SOMOS
  ARTIGOS
  CÓDIGO DE ÉTICA
  CONEXÕES DE INTERESSE
  CURSO PRESENCIAL
  ENTREVISTAS
  ESTUDO DE CASO
  ÉTICA E NEGÓCIOS
  MONOGRAFIAS
  NOTÍCIAS
  SALA DE LEITURA
  TESTE DE ÉTICA

      ARTIGOS


Ética do Papai Noel
Há poucos dias, num shopping center da Zona Sul da cidade de São Paulo, frequentado por consumidores das mais variadas classes socioeconômicas, o “sonhado” Papai Noel recebia abraços, beijos e ... pedidos!
  Uma criança, encantada com a possibilidade de vê-lo “de verdade”, aproximou-se dele e ouviu:
- Meu filho, o que você quer de Natal?
- Um robô, Papai Noel!
- Ah, você vai ganhar, sim! Ro, ro, ro! ...
A criança saiu feliz desta conversa.
A mãe, que ouviu o diálogo, sentiu-se indignada com a promessa feita ao garoto. Pensou: Qual será a ética do Papai Noel? As suas promessas podem ser sempre cumpridas?
Foi pesquisar o preço do dito robô, vendo o sonho da criança, mais intenso pela ingenuidade de acreditar no “Velhinho”.
Verificou que se tratava de uma quantia fora de suas possibilidades.
Promessas enganosas? Ou irrefletidas?
O episódio faz pensar no desrespeito à criança, por sua inocência; e aos pais, pela situação em que foram colocados.
Ao contratar o “Papai Noel”, o estabelecimento com certeza visa ao maior volume ou faturamento com vendas. Finalidade compreensível nesta época do ano. No entanto, como os fins não justificam os meios, não seria ético orientar o Papai Noel a não alimentar a ilusão das crianças, não fazendo promessas nem sempre realizáveis?
Respostas como: “Vou ver se encontro...”, “Vou ver se consigo...”, ou outras mais criativas não assegurariam aos pais a compra de um presente acessível, sem frustrar o menino? Pela oportunidade do Natal, certamente gerariam vendas, mesmo que não fossem de robôs.
O oportunismo, visto por alguns como estratégia, do ponto de vista da ética empresarial pode constituir uma injustiça grave. É diferente oportunidade de oportunismo. Alimentar a esperança do robô se tornou uma tática oportunista.
Se acalentar sonhos infantis é apenas um instrumento de marketing, como explicar às crianças que elas estão fora da realidade, quando o acesso aos produtos ou serviços não é viável?
Que “ginástica mental” os pais têm que fazer para evitar uma grande decepção? O robô pode se tornar uma idéia fixa, “porque o Papai Noel falou”. 
No limite, o Papai Noel terá que deixar de existir, porque o Papai Noel não pode enganar. Seria crueldade obrigar as crianças a interromperem os sonhos a que têm direito.
Por ética, o Papai Noel deveria deixar felizes filhos e pais... com paz!
 
(#) Profa. Dra. Maria Cecilia Coutinho de Arruda, LPEC
Membro do GEES – CRASP
Diretora – Hetica Treinamento Empresarial
Presidente ALENE – Associação Latino-americana de Ética, Negócios e Economia
 
14/12/2016


[Versão para impressão] [Enviar para um amigo]



 
Untitled