Pesquisa:
  QUEM SOMOS
  ARTIGOS
  CÓDIGO DE ÉTICA
  CONEXÕES DE INTERESSE
  CURSO PRESENCIAL
  ENTREVISTAS
  ESTUDO DE CASO
  ÉTICA E NEGÓCIOS
  MONOGRAFIAS
  NOTÍCIAS
  SALA DE LEITURA
  TESTE DE ÉTICA

      ENTREVISTAS


 Ana Paula Padrão *

Site - Qual a principal característica da missão do jornalista?

Ana Paula Padrão -
Ética. Se ele seguir esse princípio, saberá resolver com sabedoria qualquer conflito na profissão.

Site - O jornalista apenas transmite a informação ou também é formador de opinião?

Ana Paula Padrão -
Ele forma opinião, é claro. Inclusive porque, por mais que persiga a isenção, a reportagem feita por um indivíduo sempre estará permeada pelas experiências daquele indivíduo, e de seu modo de ver o mundo.

Site - Qual o maior desafio do jornalista ao longo de sua carreira?

Ana Paula Padrão -
Não ter a si mesmo como ponto de referência daquilo que cobre.
Libertar-se dos preconceitos, e ver o outro como ele é.

Site - Como conciliar a carreira profissional com a vida pessoal e familiar?

Ana Paula Padrão -
Tempo é uma questão de prioridade. Muito mais para o jornalista, que exerce profissão vocacionada. Como um jornalista não deixa de sê-lo quando está de férias, o profissional acaba trabalhando 24 horas por dia, 7 dias por semana. É preciso estar atento para incluir um pouco de ócio na rotina.

Site - Na vida profissional a disputa entre homens e mulheres cria desgastes muitas vezes desnecessários. Os valores diferentes e complementares existentes em cada um não são suficientes para permitir entendimento e harmonia entre elas e eles e gerar um ambiente profissional bem mais enriquecido?

Ana Paula Padrão -
Acho que essa discussão sobre a disputa entre gêneros num ambiente de trabalho está ultrapassada. Acho que o grande obstáculo na vida profissional, hoje, é comum a homens e mulheres: encontrar tempo para si mesmo e para a família.

Site -  O problema das diferenças e desvantagens entre homens e mulheres é de cultura ou há algo mais grave por trás do machismo e feminismo?

Ana Paula Padrão -
Temos milhares de anos de cultura patriarcal permeando nossas ações.
Sob esse prisma, parece até relativamente rápida a consolidação da mulher no mercado de trabalho e a aceitação, por parte dos homens, do novo papel social da mulher. Acredito que o encontro entre homens e mulheres se dará quando os homens absorverem um pouco do universo feminino, assim como nós, mulheres, incorporamos tantos elementos do universo masculino nos últimos anos.

Site - Hoje que tudo muda, e a globalização facilita a aproximação dos povos permitindo a constatação dos diferentes costumes, parece que há uma perda de referencial e uma confusão entre costumes e princípios e valores. Somente os costumes mudam? Os princípios e valores pessoais e das famílias também mudam?

Ana Paula Padrão -
A grande globalização é apenas econômica. O acesso à informação global não significa necessariamente uma unificação global de comportamentos e cultura.
Quanto à valores, acredito que os grandes valores já são globais. Ética e moral não têm que mudar de uma cultura para outra.

Site - Pode uma pessoa de bem, apoiar, por exemplo, um veículo de comunicação que apesar de afrontar a dignidade da pessoa pelos programas que divulga, arrecada fundos financeiros para auxiliar uma boa causa? Em outras palavras, os fins justificam os meios?

Ana Paula Padrão -
Pessoas não apóiam veículos de comunicação. Pessoas são consumidoras de comunicação, qualquer que seja a mídia. E, nos regimes democráticos, pessoas podem escolher o que vão consumir ou não. O que é ótimo, não é?

Site - Porque a mídia divulga mais notícias negativas, violentas, sensacionalistas, que aquelas de conteúdo ético, leal, honesto e nobre? Será que o compromisso com a verdade está vinculado apenas à verdade que revela a maldade e a perversidade da conduta humana?

Ana Paula Padrão -
Há uma máxima no jornalismo que diz: bad news, good news! Ou seja, as notícias ruins são as que mais atraem público.
Some-se a isso a instabilidade, econômica e social, de um país como o Brasil e você terá um amontoado de notícias violentas competindo por espaço com poucas notícias "do bem". Além disso, expôr a corrupção e denunciar a ilicitude é obrigação do jornalista. É louvável buscar as notícias boas, mas seria impossível fazer um jornal apenas de boas notícias, simplesmente porque isso não representaria a sociedade. Infelizmente.

Site -  Qual o segredo de seu sucesso como profissional e como mulher?

Ana Paula Padrão -
Procuro estar completa dos dois lados. Busco sempre o equilíbrio.
E faço opções pelo equilíbrio. Tanto a carreira quando a vida pessoal são escolhas. Elas não se fazem sozinhas, dependem da sua administração. Eu tento administrá-las para ser mais feliz, em todos os meus universos.

Ana Paula Padrão - Formada em jornalismo pela Universidade de Brasília.Ingressou na Rede Globo em 1987. Escreveu o livro "O Segredo do Cofre" com Valderez Caetano. Atuou como repórter do Jornal Nacional e do Fantástico, além de ter sido comentarista do Bom Dia Brasil e do Jornal Hoje. De 1998 a 2000 foi correspondente internacional da Globo e voltou ao Brasil para editar e ancorar o Jornal da Globo. Desde dezembro de 2006 comanda sua empresa de produção de conteúdo, a Touareg.


6/10/2008


[Versão para impressão] [Enviar para um amigo]



 
Untitled