Pesquisa:
  QUEM SOMOS
  ARTIGOS
  CÓDIGO DE ÉTICA
  CONEXÕES DE INTERESSE
  CURSO PRESENCIAL
  ENTREVISTAS
  ESTUDO DE CASO
  ÉTICA E NEGÓCIOS
  MONOGRAFIAS
  NOTÍCIAS
  SALA DE LEITURA
  TESTE DE ÉTICA

      ENTREVISTAS


Douglas Linares Flinto

 Douglas Linares Flinto *

Site - Você poderia nos contar o que é o Instituto Brasileiro de Ética nos Negócios?

Douglas Linares Flinto
- Para que seus leitores entendam o que é nossa instituição, temos que voltar no tempo... Sempre atuei em empresas de distribuição de derivados do petróleo. Iniciei na anglo-holandesa Shell, com apenas 21 anos. Depois de 3 anos, fui contratado pela brasileiríssima Petróleo Ipiranga a qual, atualmente, foi adquirida pelo Grupo Ultra que também comprou os ativo da americana Texaco, conquistando, assim, a segunda colocação no ranking das maiores distribuidoras do país, ficando atrás somente da gigante estatal Petrobras. Após dez anos, encarei o desafio de participar de uma nova empresa, a italiana Agip - que já atuava no país com a Liquigás, empresa de GLP – que acabara de adquirir a Cia. São Paulo de Petróleo.

E, por causa da Agip do Brasil, que o Instituto Brasileiro de Ética nos Negócios viria a nascer. Após ser promovido e transferido para a principal gerência de vendas da companhia (Cuiabá-MT) no início dos anos 2000, me deparei com um milionário esquema de corrupção e fraudes internas as quais, inclusive, eram de conhecimento do Sindicato dos Postos de Gasolina, do Ministério Público ligado à Secretaria da Fazenda e até da CPI dos Combustíveis instalada na Assembléia Legislativa do Estado do Mato Grosso.

Por conta disso, visando proteger a imagem, a reputação e a liderança de mercado da companhia, reportei à diretoria todos os fatos. Entretanto, pouco tempo depois, acabei sendo demitido por "quebra de confiança".

Após meu desligamento, lembrei que havia assinado, juntamente com meu contrato de trabalho, um documento que confirmava o recebimento do Código de Ética da Agip do Brasil. Infelizmente, em muitas empresas, este importante instrumento é entregue ao funcionário por puro formalismo e acabamos esquecendo-o no fundo da gaveta... Acabei encontrando na caixa que guardei meus pertences de minha mesa. Ao lê-lo novamente, tive uma surpresa! Havia feito o que a Agip exigia de todos os seus colaboradores: denunciar qualquer irregularidade e desconformidade ao Código de Ética.

Durante meses, enviei correspondências para a Agip. Iniciei pela presidência do Brasil. Depois para a Comissão de Ética da companhia no país e terminei com uma carta para a alta cúpula do grupo controlador, a ENI - Ente Nazionale Idrocarburi, maior companhia italiana, a Petrobras da Itália.

Algum tempo depois, um dos executivos que recebeu minha correspondência veio visitar as operações no Brasil e o esquema começou a ser desbaratado... Você pode me perguntar: Isto não é uma coincidência? Com certeza, não! Pois ninguém demite executivos da média gerência nos dias 23 e 30 de dezembro. Passados mais alguns meses, até o diretor comercial foi desligado e a Agip do Brasil acabou sendo vendida para a Petrobras, saindo do meu país e voltando de mala e cuia para a Itália.

Estes acontecimentos fizeram com que me despertasse para a Gestão Responsável das Empresas. Comecei a procurar livros sobre o tema; interar-me deste assunto; e, quanto mais conhecia, mais ficava interessado. De fato, este é um tema apaixonante.

Por estas razões, foi fundado, em meados de 2003, o Instituto Brasileiro de Ética nos Negócios tendo como objetivo principal fomentar a Ética nos Negócios, não só no meio empresarial, mas, especialmente, no contexto escolar, pois os estudantes de hoje serão os colaboradores, executivos e proprietários das empresas de amanhã.

Por isto que nossa área prioritária é a educação! Nosso principal empreendimento social é o Projeto RSC na Escola que introduz na sala de aula os fundamentos da gestão responsável em toda a sua amplitude por intermédio do livro RSC Adolescente (jovens de 13 a 18 anos) e da história em quadrinhos do Ético, o ET Legal (crianças de 6 a 12 anos). E, mais recentemente, lançamos o Programa UniÉtica (Programa Nacional de Ética nos Negócios para Universitários) que se inicia em Campinas, SP, no próximo dia 17 de novembro e, a partir de 2009, em outras cidades do país.

Atualmente, encontra-se no TST o primeiro processo trabalhista (exclusivamente) de dano moral - conduzido por uma dos importantes escritórios de advocacia do país: o Mascaro Nascimento - pois o Código de Ética corporativo é parte integrante do Contrato de Trabalho e, necessariamente, deve ser respeitado e cumprido tanto por empregados quanto pela empresa.


Site - Qual seu maior estímulo em dirigir o Instituto Brasileiro de Ética nos Negócios?

Douglas Linares Flinto - O cumprimento de nossa missão: Contribuir para a formação de adultos-cidadãos e líderes eticamente responsáveis.

Site - Gostaria de cumprimentá-lo pelo lançamento dos resultados da pesquisa sobre Código de Ética Corporativo 2008 que foi lançado no final do semestre passado. As empresas que adotam um código de ética são mesmo éticas?

Douglas Linares Flinto - Sempre digo que não é o Código de Ética que fará com que uma empresa seja mais ética do que aquela que não o tem e isto é evidente: as empresas não têm vida própria, são as pessoas que as compõem que dão vida as empresas e o conjunto das atitudes éticas colocadas em prática diariamente, por cada um de seus colaboradores, é que fará com que a empresa seja ética ou não. Contudo, o Código de Ética é a Lei Maior da empresa, sua Constituição. É nele que estão destacados os princípios e valores corporativos que irão nortear o dia-a-dia dos negócios da empresa, como que ela irá se relacionar com seus stakeholders e como deverá ser a conduta de seus funcionários e integrantes de sua cadeia produtiva.

Por isto mesmo que o Código de Ética é um dos principais, se não for o principal, instrumento da gestão responsável de qualquer empresa, seja ela grande, média ou pequena.

Site -  Como deve agir o profissional que deseja seguir seus princípios éticos e na empresa onde trabalha sente-se pressionado a praticar ações anti-éticas?

Douglas Linares Flinto - Vou responder esta pergunta com o meu caso relatado no início desta entrevista. Muitos, ao saberem de minha história corporativa me questionam se valeu a pena, se não era preferível ter ficado de calado e assim, preservar meu emprego. A ética sempre vale a pena! Não existe prazer maior do que olhar no espelho ou deitar na cama, com a consciência tranqüila por ter atitudes éticas e integridade de conduta. Por isso, os profissionais que se encontram nesta situação têm duas atitudes a tomar: uma corajosa (sair da empresa e procurar outra colocação numa empresa séria, idônea e ética) e a outra, muito menos nobre, aceitar a situação, se corromper, se tornar um homem desonesto somente para manter seu emprego e seu salário no final do mês. Não existe outra opção! Ou você é ético ou não é! A escolha é sua... E lá na frente, o resultado disto aparecerá!

Site -  Lucro e sucesso são compatíveis com a empresa ética?

Douglas Linares Flinto - Sem sombra de dúvida! A ética dá lucro e traz sucesso... Sempre! E sabe por quê? Por que ela atua, diretamente, no mais importante patrimônio de qualquer empresa: a reputação! Empresas que se tornarem publicamente reconhecidas como empresas éticas, terão ganhos fantásticos e, em especial, ficarão com suas portas abertas, pois é a reputação que garante a perenidade dos negócios da empresa e são os clientes e consumidores das empresas que têm em suas mãos a maçaneta e a chave desta porta!

Site - Trabalhar no campo da ética empresarial e nos negócios é mais fácil do que trabalhar em outra área de atuação, nesses tempos em que se constata tanta falta de ética?

Douglas Linares Flinto
- Acredito que não! O Terceiro Setor não é fácil. Quando não atuava nele, imaginava que suas instituições davam os braços em prol da sociedade. Mas, na verdade, o Terceiro Setor, com louváveis exceções, não é bem assim. Ele é muito mais competitivo do que o segundo setor, do qual eu vim e continuo nele. E esta competição se inicia por que o bolso é um só, ou seja, os recursos que movimentam e sustentam este importante setor vêm, em especial, das empresas... E termina, nas imensas vaidades que os muitos dirigentes destas instituições carregam em seu ego.
Mas, isto nunca foi e nunca será um empecilho para o nosso trabalho. Pelo contrário, isto nos motiva ainda mais, pois falamos e fomentamos um tema que é responsável pelas mudanças pelas quais o mundo precisa passar. A Ética é única maneira que temos para mudar o mundo! Sem ela, as coisas, além de permanecerem como estão, irão piorar. E isto não é pessimismo... É somente a realidade! Podemos fazer uma analogia com o meio ambiente: Há anos, os ecologistas eram chamados de EcoChatos. Hoje, não mais e por quê? Por que todo mundo viu (e já sente na pele) os cruéis efeitos causados pelas atrocidades que, por causa do desenvolvimento econômico e do lucro a qualquer custo, muitos governos e empresas causaram ao meio ambiente, por deixar o Desenvolvimento Sustentável em último plano. Da mesma forma e com muito mais intensidade é com a Ética, por que a Ética é a base de tudo... A Ética tem que ser o alicerce de qualquer governo, empresa, sociedade e de cada um de nós! Por isso, a Ética tem que ser buscada e praticada, verdadeiramente.

Site -  Pode-se dizer que a ética traz uma vantagem competitiva para a empresa? A implantação da gestão ética nas empresas tornou-se modismo?

Douglas Linares Flinto - Esta é uma excelente pergunta! Ainda vemos muitas empresas se utilizando, até 2006 do Marketing da Responsabilidade Social e, a partir de 2007, com o advento do aquecimento global, do Marketing da Sustentabilidade. Porém, existem inúmeras empresas que exercitam sua atuação responsável por que ela já faz parte do seu DNA. Mas, mesmo que ainda muitas se utilizem desta forma barata do marketing... E positivo! Primeiro, por que a sociedade tem sido ajudada com ações de responsabilidade social; o meio ambiente tem sido preservado e conservado; e, a Sustentabilidade tem sido perseguida. E, especialmente, por que com o passar do tempo, esta atuação responsável começa a contaminar, começa a impregnar toda a empresa, mudando sua cultura marketeira para uma cultura verdadeira e enraizada na empresa, pois este tipo de atuação corporativa é apaixonante e influencia todos os integrantes da empresa, do chão de fábrica até a alta cúpula.
Do mesmo modo é com a Ética! Mas, há de destacarmos que isto é o principal problema do mundo dos negócios, pois ainda existe um gigantesco abismo entre o discurso corporativo e as ações empresariais colocadas em prática no dia-a-dia da empresa... E, somente a Ética, irá balancear, positivamente, esta questão.

 

Douglas Linares Flinto - cursou Administração de Empresas e Teologia. Grande parte da sua vida profissional de mais de 30 anos se deu em empresas de distribuição de combustíveis, dentre elas: a anglo-holandesa Shell, a brasileira Ipiranga e a italiana Agip. É fundador e diretor-presidente do Instituto Brasileiro de Ética nos Negócios, sociedade civil sem fins lucrativos, que em tem como empreendimento social prioritário o Projeto RSC na Escola e o Blog Ética nos Negócios, é integrante da equipe de colunistas e blogueiros do Jornal Último Segundo do portal iG.


9/9/2008


[Versão para impressão] [Enviar para um amigo]



 
Untitled